Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Amigos, amigos, ausências à parte

por Catarina, em 02.11.16

Muito se escreve e muito se diz sobre a amizade. Frases em fundos inspiradores que se encontram por essa internet fora, provérbios e rimas, filmes, livros, teorias sobre a amizade entram-nos pelos olhos a dentro diariamente sob a forma de finais felizes, sempre. Ninguém nos mostra o reverso da moeda, aquilo que fica quando uma amizade se acaba. A verdade é que a decisão de mudar de país trouxe para a minha vida o peso da descoberta das verdadeiras amizades, aquelas que não cobram, que entendem, que não se colocam sempre e absolutamente em primeiro lugar. E a tristeza de ver tantas outras partir. Claro que podemos sempre argumentar que se acabou, se não resistiu ao tempo e à distância, foi porque não era verdadeiro, ou forte o suficiente. Mas ainda assim dói. Alguns dos que deixei em Portugal, e com quem contava para a vida, saíram-me dela por não perceberem que, enquanto as suas vidas continuavam da mesma exacta forma, dia após dia, eu comecei a dividir a minha em duas vidas: a que tenho aqui e a que tenho lá, que fica em pausa durante o ano e se retoma nas épocas em que regresso, nos pequenos fins-de-semana de tempos a tempos, nas festas tradicionais, nas férias. Partiram por não perceberem que tudo o que vivem num ano, eu tenho de concentrar no par de semanas em que vou “a casa”. Todas as pessoas que tento ver, todos os locais aonde tenho de ir e sobretudo o tempo que devo aos meus pais se concentram nesses escassos períodos de tempo. E eu tentava de tudo, desdobrava-me em quatro e não parava um segundo para tentar agradar a todos, regressando mais cansada do que à partida. Tentava, sim, porque as pessoas por quem o fazia foram, entretanto, ficando para trás, partindo por vontade própria em busca de amigos mais disponíveis. E por isto não as culpo. Apenas pela cobrança. Porque por entre todas as teorias sobre a amizade espalhadas por aí, a mais verdadeira é a de que a amizade não se cobra. E não mesmo. Sair de Portugal foi uma decisão que tomei consciente das consequências que traria. Ainda que a escolha tenha sido minha face às opções que (não) tinha em Portugal, só quem o vive sabe que emigrar não é só fazer dinheiro e viver bem. É também um fardo muito, muito pesado e é sinónimo de solidão, de um quase abandono. É ser-se gradualmente confrontado com o facto de não ser suficientemente presente para os amigos que se deixa no país de partida e de não ser suficientemente “de cá” para os novos que se vão encontrando no país de chegada. É não ter quem nos fique com um filho doente num momento de necessidade. É não ter alguém a quem pedir ajuda num momento de aflição. É não ter a mãe que nos faz o almoço nos dias corridos e nos manda batatas e cebolas e sobras para o jantar. É não ter o pai que nos ajuda com aquele problema do carro. São as lágrimas que caem, quando nos apercebemos que não temos um contacto de emergência para dar no hospital. A minha prioridade nestas visitas a Portugal sempre foi e sempre será passar tempo com os meus pais. A culpa por estar a viver os melhores anos da vida deles à distância é pesada. O pensamento de que o tempo com eles irá um dia esgotar-se vive de mãos dadas com o tempo que passo aqui. E por isso, o meu tempo é primeiramente para eles. Que amigos de verdade não percebam isso, é-me impossível de aceitar.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:44

twenty eight

por Catarina, em 11.04.16

Capture.PNG

vinte e oito. E eis que, sem aviso, eu começo a perguntar-me como é que o tempo voou assim, num ápice. Ainda ontem cheguei a Zurique, feita uma miúda tresloucada e cheia de dúvidas e esperanças e entusiasmo. Inexperiente e de sangue na guelra. Sempre de resposta na ponta da língua, sem saber distinguir quando vale e não vale a pena. Inocente, sem saber nada desta vida. Para trás deixei muitos amigos que julgava para a vida e uma família que, achava eu do topo dos meus vintes e nada, me sufocava.

Hoje, volvidos alguns anos, e a caminhar a passos largos rumo aos trinta, continuo cheia de dúvidas e sem saber nada de nada. Mas aprendi que os amigos para vida, os dedos de uma mão chegam e sobram para os contar. Aprendi que os meus pais me fazem mais falta do que alguma vez pude imaginar e, mais do que isso, são uma parte de mim que implanto a cada chegada, e que tenho de arrancar a sangue frio a cada despedida. E que a ferida nunca sara realmente. Aprendi que o amor imensurável, que faz doer o coração, faltar o ar e perder a força nas pernas de tão forte, existe mesmo e nunca se lhe conhece realmente os limites. Aprendi sobretudo a ser mais serena, mais contida, mais paciente, menos ansiosa e mais feliz.

Os 28 foram passados no Sábado entre abraços amigos, poucos, quase os suficientes não faltasse a parte portuguesa de mim, e boas conversas.

Com tudo o que a vida me trouxe até aqui, só posso estar grata. O caminho foi duro e cheio de contratempos, mas cheio de lições que levo para sempre na bagagem.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:31

Cinco anos depois de ter chegado a Zurique, e numa situação de absoluta necessidade, fui pela primeira vez a uma costureira, que afinal era um costureiro mas isso não interessa nada. Tenho em Portugal uma costureira querida e de confiança que me trata sempre de tudo durante as minhas férias, à velocidade da luz. Ainda assim, como era um caso de quase vida ou morte, porque preciso do meu uniforme de trabalho já amanhã e no fim-de-semana apercebi-me que as bainhas estavam uma miséria depois de usar as calças duas vezes (boa, alfaiate!), teve mesmo de ser.

Então lá fui e eis que, por ajustar duas bainhas e apertar dois pares de calças (aproveitei a viagem porque elas alargaram por demais, não vou dizer que emagreci!) paguei a módica quantia de 120 francos suíços. Mais de 100 euros. Bonito serviço.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:19

aqui. E por isso até nem me entristeceu saber que vão deixar de servir o Aeroporto Sá Carneiro. Já não me serviam para nada mesmo.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:43

no jardim zoológico

por Catarina, em 12.02.16

Uma das vantagens de trabalhar ao lado do jardim zoológico é poder entrar gratuitamente durante a hora do almoço para comer num dos vários restaurantes do espaço. E eu, supra-sumo da racionalidade, tive a bela ideia de ir lá almoçar hoje. Sexta-feira. Dia de excelência para as mães que não trabalham a tempo inteiro levarem os seus petizes ao zoo. E eu poderia pôr-me aqui a falar do piqueno que vi a enfiar as mãos na taça das sementes do buffet de saladas, repetidamente, como quem se ensaboa. Ou da senhora que estava arejadamente a amamentar à mesa do restaurante. Ou do facto dos pais suíços não parecerem querer saber se os seus trambolhos pintam o diabo a sete (juro, em seis anos que levo disto, nunca vi um suíço repreender um filho seu, os dos outros sim). Mas, isto não é um post sobre educação infantil. E eu até gosto de miúdos. E não sei o que me espera quando for mãe.

O que eu queria mesmo vir aqui dizer é que fiquei admirada com a quantidade de adultos vs. a quantidade de crianças. Eu explico. Vi vários casos onde a trupe era formada por uma mãe (quase nunca um pai) e um mínimo de quatro crianças de idades muito próximas. E eu só quero que me expliquem como é que uma mãe consegue ter bravura que chegue para se atirar ao Zoo sozinha (salvo seja) com quatro infantes de três ou quatro anos. Pelo que pude ver, é o caos no momento das refeições e dos chichis, e até caminhar normalmente pelo jardim é um desafio. A certa altura era ver putos por tudo quanto era canto, espalhados pelo chão da casa dos macacos (fora das jaulas, calma) a dormir a sesta, uma pessoa parecia que ia a caminhar num campo de minas. E às mães, também essas espalhadas pelos cantos, por certo não lhes faltaria vontade de deixar as suas crias ali, entregues à outra mãe, a natureza.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:04

Capture.PNG

 A neve deu um ar de sua graça no Sábado ao fim do dia, mas nada que jeito tivesse. Só uns farrapos mínimos, para isso mais valia ter estado quieta. O frio, esse veio em força, mas a neve branquinha e bonita... nem vê-la!

Enfim, cá nos vamos aguentando e arreganhando o dente. Principalmente eu, que tenho que apanhar o eléctrico todas as manhãs e todas as noites e durante o caminho até à paragem quase entro em hipotermia!

O que me vai dando ânimo é saber que o Natal está aí à porta e com ele, Portugal!

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:07

De há uns tempos para cá, o Observador faz parte da minha rotina diária de visitas e passou a ser, a par do querido Sapo, uma das minhas principais fontes de informação.

Para além das notícias, tem sempre reportagens interessantes, artigos de opinião e um grande talento para explicar as problemáticas actuais de que ouvimos falar todos os dias mas que muitas vezes não compreendemos bem.

 

De salientar hoje esta notícia, que a mim particularmente me interessa, e que passo a transcrever:

 

"A Suíça quer mais mulheres à frente dos negócios do país. O Governo apresentou um projeto de lei para que os conselhos de administração e os quadros de gestão das grandes empresas, tenham, pelo menos, 30% de mulheres, avança o Financial Times. Caso seja aprovado, terá sido dado mais um passo pela igualdade de género na Europa.

Esta semana, o Governo alemão também indicou que vai avançar com uma medida que estabelece um limite mínimo de 30% de mulheres em cargos de administração, mas a iniciativa do Executivo suíço vai mais além e inclui os cargos de gestão sénior no limite mínimo de 30%.

Uma vez aprovada, a medida terá de ser cumprida em cinco anos, mas não estão previstas sanções para as empresas que não cumprirem com a quota. Contudo, terão de justificar o incumprimento e apresentar medidas para melhorar o rácio da igualdade de género no futuro.

“É uma vergonha que tenhamos de precisar de quotas, mas a verdade é que as medidas voluntárias [das empresas] ainda não deram o retorno que precisamos”, disse Eleanor Tabi Haller-Jorden, presidente do Paradigm Forum, um think-tank suíço, acrescentando que para que a medida resulte também é preciso mudar a cultura das empresas.

A proposta do Governo vai ser discutida no Parlamento e o CVP, partido do centro-direita, já avançou que vai rejeitá-la. No universo empresarial suíço, não existe nenhuma mulher a presidir uma grande empresa e apenas Nayla Havek, da Swatch, representa o universo feminino na presidência não executiva.

Na última década, têm sido várias as iniciativas que visam incluir mais mulheres nas administrações das empresas. Em 2003, a Noruega avançou com uma medida para que 40% dos cargos de administração fossem ocupados por mulheres. França, Holanda e Espanha foram os países que se seguiram.

Segundo dados da empresa de recrutamento de topo Heidrick and Struggles, divulgados pelo Financial Times, as mulheres ocupavam cerca de 17% dos conselhos de administração de empresas europeias em 2013. Em 2011, ocupavam cerca de 12%. A Noruega é o país exemplo, com 39% dos cargos de direção a serem ocupados por mulheres, ao qual se segue a Finlândia e a Suécia, com 27%."

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:45

web_ecopop.jpg

 

Os eleitores suíços rejeitaram definitivamente a proposta para reduzir a imigração líquida para um máximo de 0,2% da população.

26 cantões do país rejeitaram a proposta, com cerca de 74% das pessoas a votarem “não” no referendo de Domingo.

Os defensores da medida argumentam que esta reduziria a pressão sobre os recursos do país. Os adversários contrapõem que esta traria efeitos nefastos à economia.

Cerca de um quarto dos oito milhões de pessoas na Suíça são estrangeiros.

A medida teria exigido que o governo reduzisse a imigração de cerca de 80.000 para 16.000 pessoas por ano.

Segundo o sistema de democracia directa da Suíça, os cidadãos podem forçar um referendo se reunirem assinaturas suficientes de apoio a uma determinada medida.

O país votou favoravelmente em Fevereiro, para re-introduzir quotas de imigração, resultando na exclusão de um acordo de livre circulação com a União Europeia.

O governo terá agora de implementar o resultado desse referendo, que causou tumulto nas relações com a UE.

Dois outros referendos tiveram também lugar no Domingo: um para forçar o Banco Central a aumentar as reservas de ouro e outro sobre o fim das vantagens fiscais para estrangeiros abastados.

Também estes referendos não conseguiram obter apoio suficiente para que as medidas passem a lei.

 

'Ecopop'

O nome desta proposta de emigração teve origem no movimento suíço com mais de 40 anos de antiguidade Ecopop, que procura vincular a protecção ambiental com controlo do crescimento demográfico.

 

Imogen Foulkes, correspondente da BBC em Genebra, diz que ainda que o desemprego seja baixo e os padrões de vida alto, muitos suíços estão preocupados com a superlotação e degradação ambiental.

A população da Suíça cresceu mais de um milhão em 20 anos, e é actualmente 8,2 milhões. Cerca de 23% dos seus habitantes são estrangeiros, a maioria deles de países da UE.

No ano passado, a imigração líquida rondou os 81.000, de acordo com a emissora pública Swiss Info.

Os defensores da medida afirmam que restringir a imigração iria salvaguardar o ambiente da Suíça, reduzindo a necessidade de novas ligações de transportes e habitações.

A proposta também inclui uma medida para limitar a superpopulação no exterior, dedicando 10% de ajuda externa da Suíça para o planeamento familiar nos países em desenvolvimento.

Os opositores, entre eles todos os principais partidos políticos, argumentam que as propostas seriam negativas para a economia, porque os líderes empresariais precisam de ser capazes de recrutar mão de obra qualificada de toda a Europa.

Teme-se também que, se aprovada, a medida poderia colocar o país em violação dos seus compromissos internacionais e danificar a sua imagem.

Muitos grupos ambientais sugerem que, se o povo suíço quer realmente proteger o meio ambiente, este deve ajustar o seu próprio estilo de vida, reporta o correspondente da BBC em Genebra, Imogen Foulkes.

 

original pela BBC aqui.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:34

Ainda sobre a iniciativa do Ecopop

por Catarina, em 13.11.14

pic_180.jpg

 

Este artigo da Gazeta Lusófona:

 

A Suíça vai de novo a referendo com a iniciativa da Ecopop, no próximo dia 30 de novembro. Uma iniciativa que propõe limitar a entrada de estrangeiros no país helvético, de uma forma radical. Ou seja, esta iniciativa é muito mais restritiva do que aquela que foi a referendo no passado dia 9 de fevereiro, e que deverá, de algum modo, entrar em vigor no próximo ano, mesmo se as negociações com Bruxelas já tiveram início, já que até à data ainda não foi encontrada uma solução. Existe um mal-estar em alguns sectores da sociedade helvética, e isso é evidente, por muito que se queira escamotear a situação. O certo é que muitos estrangeiros cada vez mais trabalham em situação de precariedade, no sector da construção, dado que as centenas de agências de trabalho temporário, que operam no mercado de trabalho helvético, não podem garantir contratos longos e estáveis a nenhum trabalhador. Muito deles já começaram a recorrer ao fundo de desemprego helvético e as ordens superiores são as de que todos os conselheiros, do instituto de desemprego helvético, sancionem à mínima falta por parte do desempregado. Quantas mais sanções, mais o Fundo de desemprego helvético poupa aos seus cofres. E quem não tiver direito ao fundo de desemprego corre o risco de ver a sua autorização de estadia cancelada por parte das autoridades da migração helvética.

Em conversa com o deputado pela emigração, Carlos Gonçalves, foi-nos confirmada a existência da lei que isenta os reformados emigrantes de pagarem o IRS, por um período de 10 anos, quando regressarem ao nosso país. O formulário em questão é modelo 3, anexo L, para residente não habitual. Sabíamos que o decreto-lei existia, mas também sabemos que a lei tem sido ambígua para muitos portugueses quando regressam ao nosso país e que são confrontados com taxas IRS exorbitantes, até porque a sua reforma provém de anos de trabalho em países de acolhimento, nos quais as taxas ficais são bem inferiores àquelas que infelizmente são praticadas no nosso país.

 

Original aqui.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:11

 

Li isto no blog da Diana, Portuguese Girl with American Dreams, cuja leitura desde já recomendo, e não poderia concordar mais com cada ponto.

É um facto, tudo muda. Para alguns, para pior. Mas para muitos, para melhor e é por isso que decidem nunca regressar. Eu incluo-me no segundo grupo, está claro. Ora atentem:

 

1. A adrenalina torna-se parte da tua vida 

Desde o momento em que decides viver fora, a tua vida transforma-se num remoinho de emoções - aprender, improvisar, lidar com o desconhecido. Todos os teus sentidos ficam mais apurados, e por algum tempo a palavra "rotina" desaparece do teu vocabulário e dá lugar à aventura e adrenalina. Novos lugares, novos hábitos, novos desafios, novas pessoas. Começar tudo de novo deveria assustar-te, mas pelo contrario, torna-se viciante. 

 

2. Quando voltas...Tudo parece o mesmo.

Quando tens alguns dias de férias e voltas à tua terra, parece que nada mudou. A tua vida tem mudado a uma velocidade tremenda, e quando voltas estás pronto para partilhar todas as tuas aventuras. Mas em casa a vida continua na mesma. Todos continuam com as suas tarefas diárias e de repente percebes que a vida não pára para ti. 

 

3. Ficas sem palavras, mas ao mesmo tempo tens tanto para contar

Quando alguém te pergunta como é a tua nova vida, faltam-te palavras para descrever a tua experiência. No entanto, a meio de uma conversa, algo te lembra uma aventura que tiveste e tens que dobrar a língua para não aborreceres todos à tua volta com as tuas historias e para que não soe que estás a ser pretensioso. 

 

4. Apercebes-te que a coragem não é tudo

Várias pessoas dizem que és muito corajoso e que também gostariam de viver fora, mas que tem medo. E tu pensas nas vezes em que estiveste assustado e sabes que coragem está relacionado apenas com 10%  das tuas decisões e que 90% está relacionado com a extrema força de vontade que tens. Queres fazê-lo? Tens verdadeiramente vontade de o fazer? Então vai em frente. Desde o momento em que decidimos dar o salto, não somos nem cobardes nem corajosos, todas as advertências que vão aparecendo, nós vamos lidando com elas. 

 

5. E de repente estás livre. 

Sempre foste livre, mas a liberdade parece diferente. Agora que deixaste para trás o conforto que tinhas em casa, tu sentes-te capaz de fazer qualquer coisa!

 

6. Não falas uma língua em particular.

Por vezes, sem intenção deixas sair uma palavra de uma outra língua. Quando interages diariamente com várias línguas, aprendes e desaprendes ao mesmo tempo. Dás por ti a ler na tua língua materna, para que não fique enferrujada. 

 

7. Aprendes a dizer adeus e a aproveitares a tua própria companhia

Apercebeste que a maior parte das coisas e das pessoas que entram na tua vida são temporárias e instintivamente aprendes a desvalorizar a importância da maior parte das situações. Aprendes o balanço perfeito entre criar laços e deixar partir - uma batalha entre a nostalgia e o pragmatismo. 

 

8. Normal? O que é normal?

Viver fora e viajar faz-te perceber que o que é considerado "normal", significa apenas que é cultural e socialmente aceite. Quando entras numa cultura e sociedade diferentes, a tua noção de normalidade cai por completo. Aprendes que existem outras formas de fazer as coisas, e passado algum tempo, tu também começas a fazê-las. Aprendes também a conhecer-te melhor e a crescer.

 

9. Aprendes a ser paciente e a pedir ajuda. 

Quando se vive fora, uma simples tarefa pode-se tornar num grande desafio. Documentação necessária, encontrar a palavra certa, apanhar o autocarro. Existem sempre momentos de stress, mas tu tens tanta paciência (que nem sabias que tinhas), que aceitas e pedes ajuda sempre que seja necessário.

 

10. A nostalgia apanha-te quando menos esperas.

Uma comida, uma música, um cheiro. Um pequeno pormenor pode dar-te tremenda saudade de casa. Sentes saudades dessas pequenas coisas e darias tudo para voltar atrás no tempo, mesmo que fosse apenas por um pequeno instante.

 

11. Tu mudas.

Tenho a certeza que já ouviste falar de viagens que mudam a nossa vida. Viver fora é uma viagem que irá mudar profundamente a tua vida e aquilo que és. Irá abanar com as tuas raízes, certezas e medos. Talvez, no inicio não te apercebas ou sequer acredites. Mas, depois de algum tempo, será claro para ti. Tu tens cicatrizes, tu envolveste-te. Tu mudaste.

 

12. E não há forma de voltares atrás.

Agora sabes o significado de deixar o conforto e começar tudo de novo. E sabes o quanto tudo isto é maravilhoso. Como poderias escolher não viajar e partir à descoberta?

 

 

A versão original, em espanhol, pode ser encontrada no blog Más Edimburgo

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 09:18


Catarina

foto do autor





Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D