Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



A dura rentrée

por Catarina, em 31.08.16

Estive fora 3 semanas. TRÊS semanas senhores. Num acto de loucura desmedida resolvi tirar três semanas de férias, aproveitando todo este período de transição que se vive aqui no estaminé em que tudo está um pouco em águas de bacalhau, antes do verdadeiro furacão de trabalho que vai ser Setembro. Assim, e com a ideia de recuperar e armazenar energias para o que aí vem, decidi fazer uma inédita pausa de 3 semanas.

E o destino escolhido foi, obviamente, o meu Portugal.

Dizia há dias a uma amiga que, quando em 2010 deixei Portugal, saí com uma sensação de "estou farta disto"... Com o passar dos anos, redescobri uma paixão assolapada pelo país, o meu país, e a saudade cortante das pessoas, da comida, dos lugares e do tempo, nunca mais me abandonou.

Tendo agora comigo alguém que também se rendeu aos encantos do belo Portugal, é com muito gosto que regresso a cada oportunidade que surja.

Assim, contava eu, na primeira semana rumámos a Aveiro do meu coração, para uns dias em família. Teria sido perfeito não fossem os incêndios na zona que me doeram na alma e afectaram a vida de pessoas que me são tão próximas.

De lá rumámos ao Algarve para uma semana de praia, barriga cheia e descanso com um casal amigo. E o que eu amo o Algarve, a água quentinha, a comida maravilhosa, as caminhadas de fim-de-dia e a constante animação que o Verão traz. Tivemos sempre um tempo fantástico com dias quentes e noites refrescantes.

No regresso e porque voávamos de Lisboa, ainda tivemos tempo para uma paragem de uma noite na capital, no nosso hotel mais que preferido. Vou poupar-vos os detalhes do episódio em que fui assaltada e quase tive um colapso ao ver-me sem documentos para viajar, porque felizmente consegui recuperar a minha carteira, de onde apenas me levaram o dinheiro, graçádeus.

E sim, apesar de tudo, Lisboa ainda continua no meu coração de manteiga.

Agora é tempo de regressar ao trabalho, à rotina e à loucura dos dias. Este tem sido um ano de muito trabalho. Das três semanas que tirei, todos os dias advieram das horas extra. Não usei nem um dia "de férias". A meio do ano já levava com 3 semanas de horas extra no lombo. Estava exausta e esta pausa soube-me pela vida. Pena que ao terceiro dia de trabalho os efeitos dos maravilhosos dias de dolce far niente já pouco se façam sentir.

 

"Fasten your safety belts, clench your buttocks! It's going be a bumpy ride!"

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 09:51

E enquanto isso, o mundo pula e avança

por Catarina, em 22.06.16

Eu bem sei, desculpem lá mas tenho andado ocupada a festejar o fim dos exames (para todo o sempre!!) e a ver os jogos da nossa Selecção, que ainda que não tenha dado para festejar, também ainda não deu para chorar.

Quero mesmo é partilhar este post da Maria (a das Palavras) que é só assim a coisa mais acertada e coerente que li nos últimos tempos, não fosse ela a Maria das ditas, que é bem pessoa para me por palavras naquilo que penso e que tenho, inutilmente, vindo a tentar explicar aos desgraçados que têm o azar de me vir falar mal do Cristiano Ronaldo.

 

Diz então a Maria:

"Eu não compreendo, nem nunca compreenderei as pessoas (os portugueses) que odeiam Mourinho ou Ronaldo. (...)
E principalmente, neste caso de Cristiano Ronaldo, que alegadamente não faz um bom trabalho pela Seleção, porque toda a gente vê o seu sangue, suor e lágrimas por um país, que só sabe apontar para ele quando ele falha (gostava de vos ver lá todos, naquele lugar de pressão infinita). (...)
E porquê? Porque ele liga "mais" ao corte de cabelo. Até parece que já o vimos chorar por um corte de cabelo, como vimos em quase todas as retas finais dos nossos percursos nas grandes competições."

 

Eu não sou cá de merdas, mas já tive a oportunidade de trabalhar com o Cristiano, tanto como com vários outros jogadores desse leque restrito dos "melhores dos melhores", e tenho a dizer-vos que nenhum deles conseguiu nunca igualar a simplicidade no trato, a acessibilidade e a atenção para com os fãs que o Cristiano demonstra em cada evento, mesmo em eventos fechados ao público onde a presença de fãs não é suposta. O Ronaldo tem talento e reconhece-o sem falsas modéstias, a imprensa abusa e sai dos seus limites para o importunar, mas o Ronaldo da imprensa não é o Ronaldo dos fãs, e desculpem-me o cliché, mas cada um tem o que merece.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:26

Trabalhar para a FIFA é... #3

por Catarina, em 09.05.16

Viajar para a Cidade do México e não ver absolutamente mais nada que o aeroporto, o hotel e os bares deste. Porque se trabalha das seis da manhã às dez da noite (isto num dia bom), Sábados e Domingos incluídos. Oh vida!

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:40

Trabalhar para a FIFA é... #2

por Catarina, em 20.04.16

Receber uma média de 130 emails a cada 20 minutos.

E sentir que por muito que se trabalhe, não se consegue dar vazão à quantidade de mensagens por responder.

É também começar a achar que se é um supra-sumo da inteligência em qualquer tema deste mundo, porque ninguém parece entender nada sobre nada.

Há dias do demónio....

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:47

Trabalhar para a FIFA é... #1

por Catarina, em 19.04.16

poder ir a todos os jogos do Euro 2016 porque se tem bilhetes a preço razoável, e não poder ao mesmo tempo porque se tem muito trabalho.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:30

Olá Março, adeus Março

por Catarina, em 05.04.16

Março foi um mês bom, muito bom. E foi por isso que mal pus aqui as mãos.

Ora, primeiro trabalhei, muito. Desunhei-me. Afoguei-me em horas extra. Chorei algumas vezes. Comi que nem uma lontra para chorar um bocadinho menos. O trabalho esfrangalhou-me os nervos de tal forma que só o chocolate me ia safando.

Mas tudo isto com a mente nos dois grandes eventos do mês de Março. O aniversário do MQT que aconteceu a meio do mês e foi combinado com um fim-de-semana em Paris para lhe visitar a família, comer muito, ver os amigos e passear um bocadinho, pouco.

E depois... as tão, mas tão, mas tão merecidas férias.

Ainda em Janeiro decidimos que teríamos mesmo que tirar umas férias no final de Março, porque para mim, entre o Ballon D'Or em Janeiro, o Congresso Extraordinário em Fevereiro e o Congresso Ordinário em Maio, seria a única oportunidade de férias e eu calculei que se não o fizesse chegava a Maio e, já maluquinha de todo, atirava-me de uma janela qualquer. Depois, eu queria porque queria calor, praia, mar, bom tempo, boa comida e... um orçamento decente, porque já andamos a poupar para uma viagem grande nó início do próximo ano. E foi assim que decidimos ir a Phuket, na Tailândia, um bocado do-pé-para-a-mão.

Foi mais ou menos assim:

Envio um e-mail ao MQT a dizer "Queres ir à Tailândia?"

Ao que ele elaboradamente responde qualquer coisa como "Quero pois!" Não me perguntem, foi em Inglês, mas em Português é tão mais bonito.

E foi assim, confirmámos as férias como os respectivos bosses, marcámos o voo e depois o hotel, e pronto. Estava marcada a minha primeira viagem de longo curso. Sim, sou uma bimba do pior que tem medo de andar de avião e que nunca esteve pelos ajustes, que querem?

E a coisa até se deu melhor do que eu pensava. Nas semanas que antecederam a partida estava tão afundada em trabalho que, cada vez que o pensamento de passar onze horas enfiada num avião mal me passava ao de leve pela mente, eu chutava-o logo para um canto escuro e não mais me lembrava de tal coisa. Ainda assim, nos últimos dois dias, corajosa como sou, ainda paniquei umas 273 vezes, coisa pouca.

Vai-se a ver, a viagem passou-se num abrir-e-fechar de olhos, literalmente, porque assim que a criança histérica que há em mim correu tudo quanto eram filmes e jogos do computador do avião e sossegou, adormeci e só acordei para comer. Uma maravilha.

Já em Phuket, foi fantástico e maravilhoso e tudo o que precisávamos. Sol, calor, praias lindíssimas, comida deliciosa e pessoas tão mas tão acolhedoras e prestáveis que ainda pensei em trazer uma ou duas comigo só para me alegrarem os cinzentões dias suíços.

IMG-20160323-WA0005[1].jpg

IMG-20160326-WA0016[1].jpg

Claro que os dias passaram num ápice e pronto, tivemos que regressar. E eu que já vinha cheia de confias, ai que eu agora já sou uma expert e isto não vai custar nada, venha de lá esse avião. Pumbas, levei com seis horas de turbulência no lombo e vim o caminho todo a rezar aos santinhos para não nos estatelarmos dali a baixo. Foi bonito, foi. Juro que até houve momentos em que quase chorei, enquanto estrangulava o braço do MQT até fazer formigueiro. Esse queria lá saber, dormiu que nem uma pedra o caminho todo, eu bem que podia ter morrido do coração e ele nem para testemunha servia.

Enfim, chegados ao aeroporto de Zurique, depois dos devidos agradecimentos aos santos todos e de jurar que tão cedo não me metia noutra, recebo um e-mail do trabalho que começava assim "Itinerary to the 66th FIFA Congress 2016, Mexico, Mexico City". Obrigadinho, tá? Acabadinha de falar com os santos e é isto.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:44

Um dia vais ver Luís Figo jogar outra vez

por Catarina, em 29.02.16

E hoje foi o dia. Depois de já ter perdido a esperança, nem nos meus sonhos mais audazes me imaginava a ver o ídolo futebolístico da minha adolescência jogar, ao vivo e a cores. E hoje, foi com grande expectativa que desci do meu escritório para o ver espalhar magia no relvado da Home of FIFA.

Falho muitas vezes a relembrar-me do quão privilegiada sou, do quão agradecida me sinto por ter um trabalho fantástico, onde cada dia é mais surpreendente que o outro e onde sou muito, muito feliz.

O Luís está bom e recomenda-se, com um brilho incomparável, um ar jovial e o talento que todos conhecemos. Para mim, o melhor de sempre.

A qualidade do vídeo foi a possível, entre a câmara rasca do telemóvel e o tempo manhoso. Só mesmo para mais tarde recordar =)

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:30

coisas que me tiram do sério

por Catarina, em 23.02.16

Pessoas que ganham mérito, não por serem bons naquilo que fazem mas por fazerem o trabalho dos outros parecer mau.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:54

Esta coisa de voltar a estudar

por Catarina, em 17.02.16

Quando, em 2009, terminei a minha licenciatura, estava a trabalhar. Coisa que, aliás, fiz durante o curso inteiro. Como já levava uns anitos de trabalhadora-estudante na mesma empresa, havia muita pressão por parte da chefia para terminar os estudos e começar a trabalhar a tempo inteiro. E foi por isso que na altura, sem grande relutância da minha parte, de tão exausta que já estava, e sem muita insistência da parte dos meus pais, cujas finanças estavam a caminho da bancarrotice às custas da universidade, resolvi não seguir directamente para o mestrado como fez grande parte dos meus colegas.

Por outro lado, o curso que tirei era demasiado abstracto dentro da área (que é como quem diz, sabia lá eu para que é que me ia servir uma licenciatura em Línguas e Relações Empresariais) e eu não tinha a mínima ideia do que estudar a seguir.

E assim fui adiando. Acabei por sair da empresa onde estava, depois foi a mudança para a Suíça, entretanto o longo período de adaptação e uma fase intensa de auto-análise profissional onde fui aprendendo sobre aquilo que mais me dava gosto fazer e onde fui descobrindo os meus verdadeiros talentos e paixões. Entretanto cheguei a uma fase de estagnação no trabalho, já não me sentia desafiada, sentia que já tinha aprendido tudo e mais alguma coisa sobre aquela função e aquela empresa e aquele negócio. Estava verdadeiramente saturada.

E foi então que decidi voltar a estudar. Pesquisei muito, falei com muita gente, ouvi imensas opiniões e acabei por decidir fazer um MBA com a Universidade de Madrid que oferece a possibilidade de estudar à distância. Perfeito, foi o que me ocorreu na altura. Assim não tenho que reduzir a carga horária, posso continuar a trabalhar a tempo inteiro e logo me oriento com o tempo para estudar. Primeiro erro. E dos grandes. Um crédito (ECTS) equivale normalmente a 25-30 horas de trabalho. Para completar o MBA são necessários 60 ECTS, 54 se excluirmos a tese, façam-lhe as contas. Ah, esqueci-me de mencionar que me propus a terminar o curso em 2 anos e que a Universidade faz pausas nos meses de Dezembro, Fevereiro e Março, Julho, Agosto, Setembro e boa parte de Outubro. Sendo que os meses em que efectivamente temos acesso ao material dos cursos e podemos estudar se resumem a parte de Outubro, Novembro, parte de Dezembro, Janeiro, Abril, Maio, Junho e Julho - 7 meses mais coisa menos coisa. Mais uma vez, dizia-vos para fazerem as contas, mas eu já fiz. Ronda uma média de cerca de 7 horas por dia. E quem me dera a mim ter tanto tempo.

Mas não tenho. E estando agora na recta final, a caminhar a passos largos para Julho onde, hopefully, irei terminar o segundo e último ano desta treta... olhem, nem vos digo nem vos conto. E depois ainda vem a tese, para a qual não tenho ainda um coordenador nem nunca ouvi falar do tal, e não faço a mais pequena ideia do tema que irei abordar.

Quantas e quantas vezes me arrependi de ter voltado a estudar? Quantas vezes me apercebi que a vida me estava a passar ao lado enquanto eu passava os dias no trabalho (mais que muito) e as longas noites de cara enfiada nos livros? Quantos fins-de-semana quase dei em maluca sem por um pé na rua nem tirar o pijama? Juro, várias vezes, pensei estar a enlouquecer. Várias vezes achei que não conseguia mais, que ia desistir. Ainda assim, mal ou bem, às vezes com notas boas, outras nem por isso, lá fui passando a tudo, com muito, muito esforço.

Arrependi-me muitas vezes, sim. Não teria voltado a estudar se soubesse o que sei hoje. Ainda assim, sei que me arrependeria muito mais se não o tivesse feito.

Porque depois há toda a panóplia de questões em torno da razão pela qual voltei a estudar ou em que é que isso irá mudar a minha vida. É verdade que sou uma forte defensora da velhinha expressão "o saber não ocupa lugar" e acho sempre que vale a pena estudar mais qualquer coisa, aprender mais qualquer coisa, tornarmo-nos constantemente mais polivalentes e reinventarmo-nos. E depois há também a questão de progressão na carreia, cuja possibilidade aqui na Suíça caminha bastante em paralelo com o grau de estudos.

E eu tive que repetir cada uma destas razões para mim mesma vezes sem conta, assim em tom de mantra, de cada vez me me apeteceu mandar tudo à fava e ir estatelar-me em frente à televisão a enfardar pipocas.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:52

E já passou. Passou a voar e foi extenuante, avassalador e muito, muitíssimo cansativo.

 

A minha função principal era ocupar-me dos dois apresentadores, James Nesbitt, actor (Hobbit, The Missing) e Kate Abdo, jornalista da Sky News. Recebi-os no aeroporto na sexta-feira de manhã e segui-os durante todo o fim-de-semana, do acordar ao deitar. Como o meu trabalho era essencialmente no backstage, acabei por passar os dias a auxiliar a equipa de produção e a trabalhar no programa de tv propriamente dito. Tanto o James quanto a Kate foram fantásticos, muito fáceis de trabalhar, acessíveis, simples e atenciosos. Ele é de um talento e humor admiráveis, ela uma força da natureza, com um nível de profissionalismo e um ritmo de trabalho contagiantes. Foi um prazer trabalhar com os dois.

Durante o fim-de-semana, ocupei-me ainda dos 2Cellos, o acto musical, mas no dia do programa, tive de passar a bola a outro, porque já não sabia para onde me virar como tanto trabalho.

 

Trabalhámos tanto, dormimos tão pouco, e o tempo passou a correr. A segunda-feira chegou num ápice. Acordei mais cedo que nos dias anteriores, e às nove da manhã já estava no Park Hyatt Hotel à espera da minha trupe. A partir daí foi sempre a correr, a ultimar preparativos e a acertar detalhes até às cinco, hora em que começou a passadeira vermelha. Antes do transmissão começar, fiquei encarregue de encaminhar os jogadores e convidados VIP para o auditório. Depois, fique essencialmente no backstage, a ajudar nas operações.

Foi a primeira vez que privei com os melhores do mundo, e se é verdade que foi um privilégio, é também um facto que o trabalho e a pressão me absorveram de tal forma, que foi fácil esquecer a importância das pessoas com quem ia falando. Claro que a maioria era bastante simples e acessível, o que ajudou bastante.

 

O momento alto da noite aconteceu quando entregaram o Puskas Award, que premeia o golo mais bonito da época. Este prémio já passou pelas mãos de estrelas como Cristiano Ronaldo, Neymar ou Ibrahimovic, mas este ano foi especial. O vencedor foi Wendell Lira, uma jogador de quem até então nunca ninguém tinha ouvido falar. Vindo do Vila Nova de Goiânia, um clube da segunda divisão brasileira, Wendell é uma pessoa simples, com uma vida normal e que nunca, nem nos seus sonhos mais audazes, se atreveu a imaginar que iria um dia pisar o mesmo palco que os maiores do mundo e muito menos disputar um prémio com Lionel Messi. Como o Wendell fala apenas português e nunca tinha vindo à Europa, eu estive em contacto com ele desde o primeiro minuto em que o nome dele entrou na lista de candidatos ao prémio para o ajudar a organizar a vinda a Zurique. Fiquei rendida à humildade das palavras, à simplicidade das questões, à amabilidade e à educação. Embarquei também eu neste sonho, porque o Wendell me fez acreditar. E foi com profunda alegria e uma certa ponta de orgulho que assisti emocionada ao brilhante discurso com que Wendell nos brindou ao receber o prémio. E não fui a única. Ao meu lado, no backstage, estava Neymar, e foi com espanto que me apercebi que também ele tinha lágrimas nos olhos. Deixo-vos um curto vídeo do backstage, que mostra este momento maravilhoso.

 

 

DSC_0111.JPG

 

Quando a gala chegou ao fim, a sensação de dever cumprido e de triunfo era quase palpável e estava estampada na cara de toda a gente. Diz quem sabe que foi o melhor Ballon d'Or em anos e eu acredito. Acredito porque vi o programa ganhar forma e conheço o brilhantismo que quem o dirigiu. Para o ano, lá estamos outra vez, que no que depender de mim, não voltarei a perder isto, por nada deste mundo.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 09:05


Catarina

foto do autor





Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D