Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

peripécias de zurique

peripécias de zurique

Nem que chova picaretas!

Nevou toda a noite e todo o dia. Hoje de manhã quando abri a porta da rua e vi o que me esperava não pude deixar de sorrir. Poder viver num país com neve é, de facto, fantástico. Por mais que dificulte a vida a quem trabalha e atrapalhe a circulação do trânsito, as paisagens cobertas de branco são de tal forma avassaladoramente belas que nos fazem esquecer tudo o resto e passar o dia a olhar pela janela.
Foi a primeira vez que, desde que aqui vivo, que tive problemas para tirar o meu carro do estacionamento e fazê-lo andar. A estrada ainda não tinha sido limpa e não havia meio de fazer mexer o meu pequeno potro rua acima. Depois das mais variadas acrobacias lá consegui , e bem devagarinho cheguei ao escritório uma hora e meia depois.
Uma das coisa que mais admiro neste povo é a dedicação. O país não pára de cada vez que neva, nem mesmo quando há um grande nevão (o de hoje  foi assim para o mediano, vá...). As empresas trabalham, as escolas abrem e as pessoas não deixam de fazer a sua vida.
E isto é o reflexo de um povo que não precisa de desculpas para parar. Não param em dias de neve, não fazem pontes nem greves, e têm uma dúzia de feriados por ano, não mais, grande parte deles ao fim-de-semana.
Em contrapartida, trabalha-se das 8h às 17h, e claro que para a maioria não é preciso trabalhar mais. Bastam as oito horas por dia para o trabalho ficar feito, porque se trabalha cinco dias da semana, com raras excepções, e isso faz a diferença no final do mês.
Os salários são bons, as condições de trabalho são óptimas e o resultado são pessoas motivadas para trabalhar que não aproveitam todo e qualquer motivo para ficar em casa.
E eu vou correndo embalada no ritmo deste país que nunca pára, enfrentando condições atmosféricas manhosas e um frio sobrenatural quando é preciso, porque é assim que tem de ser e o tem de ser tem muita força! Nem que chova  picaretas!

3 comentários

Comentar post

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
Todos os conteúdos publicados neste blog estão registados na Inspecção Geral das Actividades Culturais, pelo que qualquer reprodução dos mesmos requer uma autorização prévia por parte da autora. O uso indevido ou para efeitos comerciais de textos ou imagens da autora poderá dar origem a processo judicial.