Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

peripécias de zurique

peripécias de zurique

A senhora do catering

O meu colega de equipa e compincha de todos os disparates e asneiras desta vida vai casar na Sexta-feira que vêm. À bela maneira portuguesa (e Grega) eu e a maria-das-dores ainda não tínhamos comprado o presente de casamento. E como estávamos sem tempo e eu não tinha paciência para pensar em nada, assenti à compra de um voucher da empresa de catering do casamento (não perguntem, não faço ideia...).
Ora acontece que a futura esposa do meu compincha é italiana e a empresa de catering é uma coisa assim muito familiar, muito tradicional, muito coiso. Nada de comprar os vouchers pela internet, há que lá ir presencialmente. E assim, hoje à hora do almoço lá fui eu mais a maria-dolorosa à bottega.
Assim que chegámos vimos logo a cena: uma empresa familiar constituída por uma pessoa só: uma senhora italiana roliça e castiça que só ela, daquelas seguríssimas de si e das suas decisões. Que é como quem diz, com a mania que sabem tudo.
A senhora, muito prestável, adiantou-se-nos e anteviu as nossas necessidades (?) e vai de comprar um postal para oferecermos com o voucher ("Ah e tal, se não gostarem não precisam de ficar com ele... mas vão adorar!). Já estava eu toda contente a pensar que me tinha poupado à trabalheira de correr mundo em busca do postal ideal quando a senhora italiana saca duma coisa enorme, brilhante, dourada e multicolor e assim... uma piroseira fenomenal. A coisa piora quando ela, com um sorriso tão ou mais vistoso que o postal, abre o dito cujo e ele começa literalmente a gritar "Can you feel the love tonight... tonight!". Pois.
Durante uns 10 segundos, eu não consegui mover um músculo. Para ali fiquei de boca aberta e só ao fim da terceira cotovelada da maria-dói-me-tudo é que me apercebi que ela me estava a perguntar o que é que eu achava. No canto da sala um casal de provavelmente noivos ria a bandeiras despregadas. E eu, que até ali não tinha tido reacção, já só me apetecia rir que nem uma perdida. A maria-ai-que-estou-tão-mal já se contorcia toda com o riso dissimulado, mas a senhora italiana continuava expectante, esperançosa e a sorrir. E eu não tive coragem para a desiludir. Vai na volta, em vez de dizer que aquilo estava para um casamento como o Zé Castelo Branco para a música (way too much!), lá desencantei que a noiva era bastante discreta e que se calhar não era bem o estilo dela, e que... pois. Não. Desculpas pedidas ainda fui obrigada a enfrentar a cara de desilusão da senhora italiana. Juro que ela quase chorou de desgosto.
De regresso ao escritório, escusado será dizer que passámos a tarde quais Elton-John-sentimentalonas a cantar a plenos pulmões enquanto o meu compincha se queixava de quanto aquela música era horrorosa. E mesmo tendo combinado com a maria-das-maleitas que o episódio só seria contado depois do casamento, claro está que a meio da tarde já eu me tinha desbocado toda.

3 comentários

Comentar post

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
Todos os conteúdos publicados neste blog estão registados na Inspecção Geral das Actividades Culturais, pelo que qualquer reprodução dos mesmos requer uma autorização prévia por parte da autora. O uso indevido ou para efeitos comerciais de textos ou imagens da autora poderá dar origem a processo judicial.