Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




da personagem

por Catarina, em 24.07.12

Tive em tempos um professor de história que lhe chamava “Mentiroso das Paisagens”. Já o meu pai sempre foi fã e me instigou a ver os seus programas na televisão. Quanto a mim, muito honestamente, nunca foi uma personagem que me despertasse grande interesse. Apesar de me interessar por história, os seus discursos pareciam-me sempre idênticos e demasiado floreados.
Muito se tem falado sobre a vida de José Hermano Saraiva, prinicipalmente recentemente com a notícia da sua morte. A Sábado voltou a dar destaque a uma reportagem que lhe fez em 2006 e eu, que pouco sabia sobre este senhor, resolvi ler. O que encontrei em nada me esclareceu sobre a veracidade e exactidão daquilo que costumava contar. Percebi que foi um homem cultíssimo e inteligente mas muito, muito contraditório e com ideias muito próprias, mas pouco lógicas.
Vejamos a parafernália de contradições que encontrei ao longo da entrevista da Sábado e que passo a transcrever parcialmente (e a comentar, claro está!).

Nesta parte da entrevista falava-se de como o Professor tinha chegado à televisão e sobre o seu primeiro trabalho nesta área:
Quanto ganhou?
Não me lembro. Não os fazia por causa do dinheiro. O dinheiro é importante como limite de sobrevivência. Mas não é por causa dele que se fazem as coisas.

Adiante na entrevista, o Professor é questionado sobre a carreira que seguiu (Direito) e a sua relação com a história:

Qual foi o primeiro livro de história que leu?
A História Universal, de César Cantu (...) Nunca fui um estudante muito bom. Era fracote na matemática, o que alterou a minha vida. Se não fosse isso teria sido arquitecto. De maneira que fui para letras – História e Filosofia. Quando acabei o curso fui para Direito, por perceber que a História era muito interessante mas não dava dinheiro. Passei a acumular o horário de professor de História no Passos Manuel com o lugar de advogado.

Se percebi bem, o senhor não dava grande importância ao dinheiro até porque nem “é por causa dele que se fazem as coisas”. Mas foi por causa do dinheiro que escolheu Direito ao invés da História, apesar de ser “muito interessante”. Boa!

Ainda no tema das contradições, chega mais uma:

Era um pai presente?
Não. Saia de casa de manhã e voltava à noite. (...) Só tive a preocupação de todos fazerem o serviço militar. (...)
Foram para África?
Dois. Um esteve em Cabo Verde como médico militar e o outro em Angola.
Foi despedir-se deles ao aeroporto?
Estava no Brasil. Mas cada um seguiu a sua vida e tudo correu bem.
Considera-se uma pessoa afectuosa?
Até demais. Os sentimentos em mim são muito fortes. Um desgosto dá cabo de mim.

Professor Hermano Saraiva, uma pessoa demasiado afectuosa que faz questão que os filhos vão para a guerra mas não se vai despedir deles ao aeroporto, porque estava fora e cada um seguiu a sua vida. Se morressem na guerra e ele nunca mais os visse, o desgosto dava cabo dele, mas não tem mal.

Quando se discute a sua integração no novo regime político que encontrou quando regressou do Brasil, mais do mesmo:

Integrou-se bem na sociedade democrática?
Não me integrei nem desintegrei. Não sou integrável. (...)
Porque é que depois do 25 de Abril não se voltou a envolver em política?
Porque não estou integrado no regime. Um tipo não pode servir dois senhores. Assentei praça sob uma bandeira e não sou dos que vira a casaca.

Ora pois lá está. Não sou integrável mas não voltei à política porque não me integrei.

Quanto às vincadas teorias do Professor, achei particularmente interessantes as que se seguem.

Como encara as críticas dos outros historiadores às suas afirmações como o famoso “foi aqui, exactamente aqui”?
Eles não perdiam nada em ler o catecismo. Lá diz que a inveja é um pecado mortal.
É só inveja?
É só inveja.
Porquê?
Nenhum legou ao país uma obra histórica com tanto alcance no mundo como eu. Só pode ser inveja.

E quem fala assim não é gago. Eu sou o melhor do Mundo, os outros são paisagem.
Humildade. Ou a falta dela neste caso. Não é um pecado mortal, mas em dose qb traz grandes vantagens na salavação das almas e não fica nada mal.

Hermano Saraiva fez, enquanto Ministro da Educação, parte do governo de Salazar e era um dos grandes defensores das suas virtudes.

Um livro recente diz que afinal Salazar teve várias mulheres...
Tudo mentira. Quando ele estava doente, fui lá e a dona Maria diz-me a chorar: “o senhor doutor nunca mais é ninguém. Durante 40 anos nunca se deixou ver com a barba por fazer agora está para ali deitado, descomposto.” Este homem dava-se a um respeito que não permitia que o vissem com a barba por fazer. Imagine um santo. Um tipo de uma austeridade ascética, quase medieval.

Um homem que nunca traz a barba por fazer é um santo e não pode jamais ter comportamentos desviantes. Está mais que provado que a ausência de barba torna as pessoas mais íntegras, respeitadoras e fiéis! O barbudo do Jesus Cristo devia ser um malandro do pior...

Quando o assunto é política, a lógica da batata continua. Ou votamos nos nossos amigos, mesmo que eles não sejam candidatos dignos da posição a que concorrem e mesmo que consideremos os seus opositores como sendo uma boa escolha, ou então não votamos de todo:

O que acha de Cavaco Silva?
É um homem honesto, bem intencionado e que fez uma campanha modelar. (...)

Votou nele?
Não votei porque era difícil para mim. Sou amigo pessoal do Mário Soares. (...)

Mário Soares não se devia ter candidatado?
Não. Mas só por causa da idade. (...) Por isso é que não fui votar. Não queria votar contra um amigo.

A entrevista vai quase no fim, mas não sem uma importante lição a reter: O que faz de alguém um bom embaixador? Riquíssimos jantares, vinho do Dão e queijos da serra. Candidatos?

Foi um embaixador de muitos croquetes e coquetéis?
Fiz muitos. Mas não era com croquetes. Eram riquíssimos jantares. Adoravam-me por isso. A embaixada estava sempre aberta. Tinha vinho do Dão e queijos da serra.

E pronto, a entrevista da Sábado foi interessantíssima e deu-me a conhecer uma importante figura da nossa história. Se aprendi muito com isso? Não. Se mudei de (ou criei) opinião sobre o Professor José Hermano Saraiva? Também não. Se sou mais uma que nada fde grandioso fez mas que gosta de criticar? Epá até sou. Se detesto o homem e desrespeito o que ele fez em vida. Nada disso, pelo contrário. Mas ri-me um bocadinho. E não poderia deixar de mandar umas postas sobre isso.

A entrevista pode ser lida na íntegra no site da Sábado.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:22




Então e mais?

peripeciasdezurique@gmail.com



Parceiros






Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D